Vós

menu
Histórias

As cores e os ‘closes’ do Salão Experimental

Com Joelma Moreira e Mariana Lima Por Flávia Bessa, Igor de Melo
27.jan
2020

Não foi ‘’só uma fase’’

Que poder de mudança carrega um corte de cabelo? A transformação de uma vida. Pelo menos foi assim para a cabeleireira cearense Joelma Moreira. Tudo aconteceu quando ela resolveu largar o emprego de ‘’assistente faz-tudo’’ em um salão tradicional em Fortaleza para criar seu próprio espaço de beleza: o Salão Experimental.   

No reflexo do espelho, Joelma é muito mais do que o seu ‘’visual alternativo’’. Com apenas 26 anos de idade, a cabeleireira revela dez anos de experiência na área. Ainda adolescente, ela já fazia as próprias transformações e o toque ‘’experimental’’ nas mudanças capilares se tornaram sua marca antes mesmo de pensar em seguir carreira profissional. Sabe aquela velha história de ‘’ser só uma fase’’? Esse, definitivamente, não é o caso de Joelma.

Depois de passar um tempo ‘’ensaiando’’ sua arte no próprio cabelo e em amigas mais próximas, ela vivenciou de perto a realidade de um ‘’salão comum’’ e percebeu que não se enquadrava àquela rotina repetitiva. ‘’Percebi que existia uma galera que, como eu, sentia falta de lugares mais plurais. Não existiam muitos salões dispostos às mudanças mais experimentais, então, por que não começar a fazer tudo o que eu já fazia em mim, só que nas outras pessoas?‘’ Experimentar era preciso, e assim a cabeleireira  fez.

Experimentando o Experimental

‘’Na cara e na coragem’’, a cearense começou o seu novo negócio de forma completamente independente. Antes de ter um ponto comercial fixo, a cabeleireira atendia os clientes na sala de estar da sua casa. Um ano depois, todo esse experimentalismo de Joelma serviu para  batizar oficialmente o salão.

A especialidade da casa? Cores e cortes pra lá de originais. O objetivo é ‘’abraçar as possibilidades criativas’’ para cada cabelo que chega no Salão Experimental. Mas antes de qualquer resultado, Joelma prioriza o cuidado e, por isso, incluiu na rotina do salão as práticas ‘’No e Low Poo’’ (técnicas de limpeza que usam shampoo sem sulfatos ou com sulfatos leves). Aderir a esses processos alternativos refletiu na identificação com o trabalho criativo do salão. ‘’Conseguimos perceber uma rede de apoio que foi se criando. Ficou fácil reconhecer na rua um cabelo feito aqui: as pessoas olham e já sabem que é do ‘Experimental’.’’

No Salão Experimental, a diversidade está além dos coloridos nos cabelos de quem atende e de quem é atendido por lá. Joelma também quis fazer diferente ao elaborar a tabela de preços do seu salão. Para começar: na hora de cortar o cabelo, homens e mulheres pagam igual. A decisão foi pensada como uma saída para as comparações sobre o comportamento feminino em relação ao mercado da beleza. ‘’Dizem que mulheres gastam mais, sendo que isso só acontece porque cobram um serviço mais caro para a gente. Via isso acontecer em outros salões e nunca concordei. Guardei pra mim e estabeleci que, quando tivesse o meu, eu iria fazer diferente.”

Outra diferença nos valores da ”tabela experimental” ficou por conta da opção de pagamento em forma de bebida. Veja bem, a troca não se aplica a qualquer serviço oferecido no salão, a barganha só é feita quando a pedida é um corte na franjinha. Não seria justo cobrar o mesmo valor que o corte comum de cabelo, então a proposta era trocar o serviço mais simples por ‘’um litrão ou três cervejas’’.  

Joelma nunca quis encaixar o Salão Experimental na convencionalidade dos outros salões de beleza, mesmo quando tentaram enquadrá-lo em padrões e estereótipos. ‘’Tentam nos taxar como um ‘bando de adolescentes inconsequentes’, reduzindo a qualidade do nosso trabalho, mas a nossa resposta é mostrar que o que fazemos é muito profissional e bem executado. Depois de ver o resultado, não tem mais o que falar, né?’’,  rebate. 

Lugar de constante movimento, o ‘Experimental’ começou a circular por outros locais em Fortaleza, até chegar no Salão das Ilusões. Como numa dessas coincidências do destino, a casa onde Joelma atendia os seus clientes era localizada no mesmo prédio do ‘Ilusões’, e, quando surgiu o convite para integrar o coletivo da residência artística, a cabeleireira só precisou descer um andar.

Um oásis de arte e ilusões

Brechó, restaurante, estúdio de tatuagem, bar, instalação artística e, finalmente, um salão de beleza. A nova casa do Salão Experimental transformou-se em um oásis multicultural. Localizado no centro histórico da cidade, o Salão das Ilusões fica instalado no prédio ‘’Dona Bela’’ – o primeiro edifício residencial de Fortaleza, e nasceu com o intuito de fomentar ações e movimentos independentes de arte e cultura.

Com a chegada na residência artística, o fluxo de pessoas mudou e Joelma Moreira começou a incorporar novas experiências ao seu negócio que, aos poucos, tornou-se um espaço aberto a outras formas de criação visual. 

As experimentações criativas começaram pra valer com a ‘’Montação Livre’’. O evento reunia todo mundo que estava nos Salões –  ‘Experimental’ e das ‘Ilusões’ – para uma festa onde ‘’quem chegasse com a montação mais louca seria premiado com cerveja liberada durante a noite inteira’’, explica a cabeleireira. 

Nas noites mais animadas acontecia também a ‘’Festa do Corpo Estranho’’, quando todo mundo se vestia com as roupas dos brechós instalados no Salão das Ilusões, ‘’só pra dar aquele close’’. Era tudo improvisado no meio da rua mesmo, com direito a desfile e salão de beleza na calçada comandado por Joelma. 

A liberdade de criar em conjunto

Ao longo dos quatro anos de Salão Experimental, muitas pessoas já trabalharam ao lado de Joelma até chegar na atual formação da ‘’equipe experimental’’. Entre idas e vindas, cada um desses profissionais permaneceu aproximadamente durante um ano. Hoje, Joelma conta com a ajuda da cabeleireira Mariana Lima e da maquiadora Helen de Sá. Juntas, as três se desdobram para cuidar da parte criativa e administrativa do estabelecimento.

‘’O Salão Experimental já tinha se instalado no ‘Ilusões’. O trabalho ficou sobrecarregado para a Joelma e a Helen. Elas precisavam da ajuda de uma terceira pessoa e me convidaram para participar’’, conta Mariana, que antes já conhecia a Joelma das festas que aconteciam no Salão das Ilusões. 

Mariana era estudante de Artes Visuais e não tinha experiência na área. No início, sua função era cuidar da administração do Salão Experimental, mas isso não durou muito tempo. Passou de auxiliar administrativo para auxiliar de cabeleireiro e se encontrou ‘’nos designs e degradês de cabelos’’. Depois de fazer alguns cursos de especialização, Mariana entrou para a ativa como barbeira e cabeleireira do salão. 

‘’Aos poucos fui percebendo o quanto a arte pode combinar com o trabalho em um salão de beleza, envolvendo essas questões de estética e colorimetria. No ‘Experimental’ eu vi que é possível crescer junto. Aqui a gente tem a liberdade de criar e sair fora da caixa’’, finaliza Mariana.

Da militância à itinerância

O Salão Experimental se posiciona também como espaço artístico-político através de uma militância baseada na colaboração com coletivos de diferentes grupos. O desejo de Joelma sempre foi ‘’expandir conhecimentos e trocar experiências com outras pessoas’’, e através das mídias sociais a cabeleireira iniciou o contato com salões de beleza de outros estados brasileiros. 

A rede foi se estendendo até acontecer a primeira oportunidade de viajar para Salvador com o Salão Experimental. ‘’Metendo as caras’’ em todos os cantos, essa ‘’circulação itinerante’’ já levou Joelma, Mariana e Helen para experimentar em espaços criativos nas cidades de Petrolina, Recife e São Paulo.

Aqui em Fortaleza, o Salão Experimental já fechou parceria com o coletivo cearense ‘’Carnaval do Inferno’’. Na época (era carnaval), o ‘Salão’ ia embarcar em umas de suas viagens, mas antes de partir a ideia surgiu: ‘’Bora todo mundo mudar o visual e fazer um ensaio pra divulgar o trabalho dos dois coletivos.’’ As meninas frequentavam as festas organizadas pelo ‘’Carnaval’’ e a turma do coletivo já cortava o cabelo no ‘Experimental’. A colaboração aconteceu apenas para oficializar tudo. 

Foto 1: Livia Soares / Fotos 2 e 3: Mariana Lima

A trajetória compartilhada despertou ainda mais a potência artística do Salão Experimental, crescendo e fortalecendo o trabalho de outros movimentos no meio do caminho. ‘’Enquanto coletivos independentes, não podemos deitar para ninguém e temos mais é que nos impor para o mundo. Essa luta torna-se política também, uma vez que a maioria envolvida nesses projetos são LGBTQs, negros e mulheres’’, acredita Joelma.

Mesmo sendo ‘’viajante’’, hoje o ‘Experimental’ está em um espaço físico em Fortaleza. Depois de uma longa temporada no Salão das Ilusões, Joelma, Mariana e Helen mudaram para um outro local na cidade. Há apenas três meses chegaram na nova casa e ainda estão no processo de deixar tudo com a ‘’cara do Experimental’’. Depois de se estabelecer aqui, as meninas querem seguir Brasil afora, levando ‘’as cores e os closes’’ do Salão Experimental.

SERVIÇO

Salão Experimental

Endereço:  R. Jaime Benévolo, 1099 – José Bonifacio, Fortaleza – CE

Horário: Terça a sábado / 13h – 18h

Telefone: (85) 9 9197-1711

Facebook: /salaoexperimental

Instagram: @salaoexperimental

Colaboradores

Flávia Bessa

Flávia Bessa

Ver Perfil

Escolheu a Comunicação Social, pois acredita no comunicar mais acessível e representativo. Encontrou no jornalismo, o caminho para a (re)construção dessa nova forma de informar. Uma comediante em ascensão, provavelmente sempre terá uma piadinha pronta pra contar (e rir sozinha).

Igor de Melo

Igor de Melo

Ver Perfil

É fotógrafo profissional desde 2008. Já passou pela fotografia de esportes, cobertura social, fotojornalismo, publicidade, documental e autoral. Continua em todas. É apaixonado por esportes de ação, tatuagens, retratos e pessoas. Crê que vai conseguir contar as histórias que quer, surfar na Indonésia e viajar com a esposa.

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar