Vós

menu
Feira Massa

Uma Caucaia formada por gente que resiste

Por Sheyla Castelo Branco

Acredita em Vós

06.out
2017

Kelfer Stênio – Arte como mudança social

Kelfer sonha com os pés fincados no chão, mais precisamente no solo de Caucaia, lugar onde há mais de 20 anos atua na formação artística e cultural de tantos outros jovens que, como ele, sonham em ser artistas. Kelfer é Presidente da Associação dos Artistas do Município de Caucaia (ADACA), e acredita na mudança social através da arte. “Nós estamos em uma cidade grande com potencial, e que só precisa ser reconhecida como tal. Há dez anos nós fundamos a ADACA no bairro Nova Metrópole, e atuamos levando arte e cultura para um público de diversas idades. Entramos nessa luta porque acreditamos que é possível fazer a diferença na vida de muita gente aqui do nosso município e até dos bairros vizinhos.”

Banda Mr. Mojo – Encanto, magia e charme

Há um ano e meio a banda Mr. Mojo atua na cena musical cearense, levando um blues/rock com uma pegada mais mística, como o próprio nome insinua. Mojo é uma mistura de charme, magia e encantamento, um nome de origem africana, que marcou a vida dos quatro músicos da banda. Vinicius Proietti (guitarra e Vocal), Eduardo D’ Campos (baixista), Adelmo Correia (gaitista) e Thell Silva (baterista) apostam em um som original, mesclando a leveza do blues ao rock n’ roll, além da irreverência, criando assim um som único e experimental.

Sérgio e Verônica – Resistir para sobreviver

Sérgio Teixeira e sua companheira Verônica da Silva nasceram na comunidade da Ponte, que fica na entrada de Caucaia. O casal cresceu em meio ao povo Tapeba e não deixa de lutar um dia sequer pelo reconhecimento do povo indígena espalhado em 17 comunidades dentro do município. “Meu pai é cacique dessa comunidade, e desde menino aprendi que temos que valorizar nossa terra e nosso povo. Ser índio no Brasil não é fácil, e nós lutamos todos os dias pela afirmação da nossa existência nesse pedaço de chão”, desabafa Sérgio, que é liderança reconhecida na comunidade da Ponte. “Nós já conquistamos muitas coisas, como a escola indígena, o Centro Cultural e Memorial Cacique Perna de Pau, e uma unidade de saúde para atender nosso povo, mas ainda temos muita coisa para conquistar, uma delas é a coleta de lixo, que infelizmente não passa na nossa comunidade”, relata Verônica que, além de liderança comunitária dos Tapebas, é agente de saúde na comunidade da Ponte.

Colaboradores

Sheyla Castelo Branco

Sheyla Castelo Branco

Ver Perfil

Sheyla Castelo Branco gosta das miudezas, fotógrafa para sentir com mais calma a delicadeza dos instantes , e acredita na vida enquanto possibilidade. É jornalista e se realiza ao contar histórias, precisa sentir a vida na calçada da dona Maria ou no meio do morro de sua cidade. Vive uma verdadeira relação de amor com sua cidade, "Eu não moro em Fortaleza, eu namoro Fortaleza".

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar