Vós

menu
Feira Massa

A festa de bairro que vai do futebol ao hip hop

Por Jonathan Silva, Flávia Bessa

Acredita em Vós

17.dez
2019

Ao atravessar a avenida Leste Oeste, o azul do céu se mistura, como numa pintura, com o mar da Praia da Leste. Perto dali, na Areninha do Pirambu, acontece mais uma edição da Feira Massa. O evento chegou pela terceira vez ao bairro com uma programação variada de movimentações culturais e esportivas durante três dias.

Os moradores do Pira tiveram a oportunidade de discutir oportunidades de negócios e explorar as novas possibilidades de liderança jovem com os painéis do Plural. No Espaço Infantil, as crianças se divertiram com as brincadeiras e interações nas oficinas interativas.

Na feirinha de economia criativa os próprios moradores expuseram seus trabalhos. Um deles foi a professora Marília do Santos, que há 50 anos mora no Pirambu. Ela começou a fazer seus pratinhos de culinária típica na primeira edição da Feira Massa realizada no bairro. O resultado da sua participação foi a criação do grupo “Feira Vila do Mar”, composto por outras micro-empreendedoras da comunidade.

Com um pé na praia e outro no asfalto – e o corpo inteiro na arte, os artistas do Pira se apresentaram no Palco Principal do evento. No clima praiano, o Coletivo Pira Roots trouxe o reggae para abrir os trabalhos da quinta-feira. No final da noite, as rimas e versos dos rappers da Família Função estremeceram a Areninha.

Na sexta teve apresentação infantil do Pastoril Pirambu. A coreografia natalina do grupo tem a mentoria de Fábio Lessa, que coordena os ensaios e também acompanha os pequenos no palco cantando as músicas do show. Morador do bairro desde criança, ele acredita na importância de “garantir a manutenção dessas tradições enraizadas na comunidade.”

Resistir fazendo arte. Nisso o Coletivo NaTora manja, por isso organizou o Sarau Natorart levando os jovens do Pirambu para o Palco Principal da Feira Massa. O primeiro a subir foi o músico e compositor ‘Miudim’, com uma apresentação intimista de voz e violão. A atmosfera mudou quando ‘Mateus Fazeno Rock’ chegou com o discurso afiado das suas músicas autorais. Para ele, o encontro da arte com a resistência da comunidade acontece todos os dias. “Quando alguém segue o caminho contrário à marginalidade, escrevendo uma poesia ou tocando uma música, é um processo de cura e aprendizado de entender quem você é.”

Quem passou pela arena não resistiu aos passinhos de reggae embalados pela Dj Vitória Maria. O cantor Marcelo 21 convidou todo mundo pra entrar na sua roda de samba. Além do palco teve teatro com o Coletivo Trupe Pirambu, protagonizado por Isa Duarte, Yliana Martins, Eduardo Costa e Herbert Gadelha. Para os jovens artistas, a Feira Massa “atrai um olhar positivo sobre a comunidade, afirmando a existência da cultura e juventude do Pirambu.”

E no campo da Areninha do Pirambu os moradores fizeram festa no evento mais disputado do final de semana: a final da Coparena 2019. Os finalistas Vila Real/Oboé, da Comunidade das Quadras, e o Orlando City, do Pirambu, disputaram a decisão do campeonato numa tarde de sábado com direito a fogos de artifício e “festa na favela”, como estava escrito em alguns cartazes dos torcedores. O time da casa garantiu a vitória por 2×1, recebendo a taça e um cheque no valor de seis mil reais, além do carinho dos moradores.

Logo após, no palco principal, outra festa teve início; dessa vez, com o sanfoneiro Waldonys. No melhor estilo piloto de avião, o cantor “aterrissou” no Pirambu tocando clássicos do forró, da MPB e do rei Roberto Carlos, em um pequeno tributo. Sorte de fãs como Marileide Batista. Das mãos de Waldonys ela ganhou um CD e DVD do artista bem no dia de seu aniversário. “Estou muito emocionada, esperava esse show há muito tempo.”

O DJ Piájay, com repertório no rap, deu a trilha para que o casal Rafael Lima e Mari pudesse dançar no ritmo do street dance. Em seguida, foram as rimas de Iicefree que agitaram o público. Emocionado, fez questão de avisar ao público de moradores a importância do bairro. “Aí, pessoal! É o Pirambu que tá na TV!”.

*Fotos por Camila de Almeida

Colaboradores

Jonathan Silva

Jonathan Silva

Ver Perfil

Garoto diferentão do Bom Jardim, entrou no Jornalismo com a intenção de escrever sobre música, uma paixão herdada da mãe. Hoje usa essa ferramenta para escrever sobre o cotidiano, a cidade, pessoas especiais, artes, fatos marcantes e a luta nossa de cada dia pela dignidade. Se não fosse jornalista, com certeza seria um astro insano do rock.

Flávia Bessa

Flávia Bessa

Ver Perfil

Escolheu a Comunicação Social, pois acredita no comunicar mais acessível e representativo. Encontrou no jornalismo, o caminho para a (re)construção dessa nova forma de informar. Uma comediante em ascensão, provavelmente sempre terá uma piadinha pronta pra contar (e rir sozinha).

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar