Vós

menu
Sou do Ceará

4 coisas que só quem é de Aquiraz já fez

Por Nathanael Filgueiras
09.jun
2016

Aquiraz é dessas cidades que ainda vivem feito um interior. Tem muita história e tradição morando nos detalhes, seja na arquitetura ou nos hábitos da população. A cidade guarda ainda um título importante: primeira capital do Ceará. Desses tempos pra cá, cresceu quase nada. Algumas coisas ainda resistem. A lembrança e os costumes são exemplos, por isso todo morador de Aquiraz…

1 – Já comprou a famosa “fofa” da Talia 

De longe a gente já escutava os gritos que se aproximavam a cada pedalar. “Olha a fooofaaaa!” Talia vendia fofa pela cidade montada em sua bicicleta. Aposentou-se da profissão já tem um tempo. Pra quem não conhece, a iguaria é uma espécie de rosca de goma, vendida em bando, amarrada com umas palhinhas secas. O negócio é bom!

2 – Foi pra uma tertúlia no Laís Sídrim

A vida noturna do aquirazense já foi agitadíssima com as tertúlias no Laís Sidrim. No local funcionava (e ainda funciona!) uma escola durante o dia e à noite o espaço era dominado pelo batidão da jovem guarda.

3 – Teve aula de reforço com a Benilda

É na varanda de casa mesmo que repassa os conhecimentos que tem. Nos três turnos, Benilda sentada na cadeira de balanço, ensina matemática, português e, vez por outra, ensina a viver. Sem esquecer a paixão pelo cantor Leonardo. No quarto guarda posteres, VHS, CDs e DVDs do artista.

4 – Usa roupa nova na Festa de São Sebastião

Todo janeiro uma roupa nova tem que estar preparada no guarda-roupas pra ser “inaugurada” na tradicional Festa de São Sebastião. Uma semana de festejos religiosos na cidade. Época de ouvir os gritos esgoelados do povo que se arrisca no parque de diversões e de encher o bucho com vatapá e paçoca nas barraquinhas de comida na praça.

5 – Troca o nome do estabelecimento pelo nome do dono

Se alguém perguntar onde fica a Banca Pinto Câmara quase ninguém vai indicar uma localização. Agora pergunte onde fica a Banca da Laurenir! Por aqui é costume esquecer o verdadeiro nome do comércio e atribuir o nome do proprietário. Farmácia do Reginaldo e Salão da Lidinha são alguns exemplos.

6 – Comia Batatinha no Nelson depois da missa 

Após o “Amém” e do “que Deus vos acompanhe” era certeiro comer aquela batatinha frita no Nelson. Aos mais lisos, restava comprar a oferta do saquinho de papel com um pingado de batatinhas. A ostentação era ter o pratinho de papelão entupido de batata, maionese e catchup.

7 – Escutou a frase “Tu não mora, se esconde!” 

Mesmo distante apenas uns 30 km da capital e aproximadamente uma hora de viagem, quem escuta um “Moro no Aquiraz” já responde com o típico “Tu não mora, se esconde!”Já ouvi demais…

8 – Pegou um São Benedito pra ir ao Centro 

Nem um ser vivo dessa primeira capital já escapou da sina de um ônibus da São Benedito lotado. Na rodoviária nem precisa esperar o ônibus parar e o trocador gritar “Fortaleza, Fortaleza, bora!?” que todo mundo já tem entrado e caçado uma vaga pra sentar. A viagem, querendo ou não, é longa. E quando passa no Eusébio então? Tome tempo!

9 – Assiste o desfile do dia 7 de setembro no sol quente 

Todas as escolas da cidade fazem o tradicional desfile da independência pelas ruas principais. Aí o povo todo vai ver as crianças miudinhas fantasiadas e sofrendo no sol de 11h. Os jovens também desfilam, mas pra ganhar o famoso “um ponto na média” na escola.

10 – Fica se gabando por morar perto da praia 

Não é por menos, vai! Iguape, Prainha, Japão, Porto das Dunas, Batoque, Caponga, Barro Preto… É tudo do nosso litoral! Basta pegar uma topic e em 10 minutos sentir a brisa do mar. Desculpa aí, viu?

11 – Conhece o Pneu

O Pneu é dessas personalidades que a cidade toda sabe quem é e já viu perambulando por aí, cantando alguma música do Bartô Galeno ou Reginaldo Rossi. Aliás, o cara já gravou até um cd! “O Pneu do Brega”. Não tem no Spotify. Ainda!

12 – Já foi pra uma seresta do Carlão 

Falando em música é impossível não lembrar dele. O seresteiro mais requisitado da cidade: Carlão! No esquema de voz, violão e teclado, ele canta de tudo um pouco: forró, brega, sertanejo, soul, samba. O cabra é bom!

13 – Sabe o que é “Pau Pombo”, “Patacas”, “Machuca” e “Gruta” 

Esses nomes, aparentemente estranhos, até parecem gírias, mas são apenas nomes de bairros de Aquiraz. Morar no Pau Pombo ou na Gruta não tem nada demais, hein?

14 – Confunde o gentílico da cidade

Tem gente que diz aquirazense, enquanto outros engolem o “z” e falam aquiraense. O IBGE diz aquirazense. Eu prefiro a confusão.

Colaboradores

Nathanael Filgueiras

Nathanael Filgueiras

Ver Perfil

Filho de Maria e José, com orgulho. Fez-se jornalista e o faz diariamente na produção do Nordestv Notícias. Acorda quase todo dia com o canto de um bem-te-vi no telhado. Por sinal, admira a liberdade de quem voa. Sorri sempre que vê o mar. Reconhece nele a calmaria, as ondas e a ressaca que também moram em si. Quando crescer, quer ser criança.

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar