Vós

menu
Histórias

Um bem que nasce da vontade de amar

Com Olga Freire Por Felipe Gomes, Igor de Melo

Acredita em Vós

29.nov
2016

Na história, Peter Pan é um menino que pode voar, derrotar piratas e viver as maiores aventuras com seus amigos. Ele vive na encantada Terra do Nunca, um lugar em que tudo é possível, inclusive ser criança pra sempre. Esse é o fato que conduz a narrativa do livro publicado no início do século XX.

Na vida real, ser uma eterna criança não é possível. Crescemos e absorvemos todas as responsabilidades da vida adulta. Ao longo do tempo perdemos um pouco daquela inocência, da capacidade de ajudar o próximo sem nenhum interesse e daquela empatia bem característica da infância. É isso mesmo? Mágico seria viver em uma terra onde isso nunca fosse verdade. Sensacional é perceber que pequenas Terras do Nunca existem e estão aqui para quem quiser visitar. Uma, em especial, tá logo ali na Rua da Esperança e salva vidas, movida, única e exclusivamente, pela vontade de amar.

Empatia

Em 1996, um grupo de pessoas decidiu dar um significado concreto para o termo empatia. Se sensibilizar com a dor do outro, para além do apoio em palavras e/ou gestos – que é fundamental -, exige ação. Esse sentimento fez nascer no Ceará a Associação Peter Pan, uma entidade sem fins lucrativos que aposta na humanização do tratamento e no diagnóstico precoce para vencer a luta contra um vilão silencioso: o câncer.

Unindo empresas, governo e gente disposta a ajudar, a Associação Peter Pan se tornou referência no tratamento do câncer Infantil. Olga Freire é a mulher à frente desse projeto. Capaz de transmitir uma força sem igual e uma paz que conforta e conforma ao mesmo tempo, ela tem se doado nas últimas duas décadas a uma organização que, segundo ela própria, nasceu da vontade amar.

“Se a gente puder imaginar como é seu filho receber um diagnóstico desses, que todo mundo tem medo, ainda na infância ou na juventude. O câncer não é só uma doença que mexe no corpo de alguém. É uma patologia que impacta todos os familiares”.

Nos anos 2000, a Associação Peter Pan inaugurou um centro de referência no tratamento do câncer infanto-juvenil. Um sonho que, segundo a Dra. Olga, nasceu das demandas de quem precisa e que segue se tornando realidade a partir de empresas que acreditaram no tratamento humanizado e no diagnóstico precoce, fundamental para salvar vidas.

Entre o diagnóstico e a cura existe um caminho de esperança a ser percorrido. Esse ano, esse espaço foi concretizado. “No começo, a ideia era chamar de Rua da Vida, mas chegamos ao consenso de chamar de Rua da Esperança, porque não pertence aos homens a decisão de manter, tirar ou fazer durar um pouco mais a vida. O que pertence aos homens é a ação de trabalhar pela esperança de vida, como a gente chama aqui”.

A Rua da Esperança está no meio do quarteirão entre o Albert Sabin e o Hospital Peter Pan e foi construída com o objetivo de facilitar o acesso de pacientes entre os dois hospitais. O caminho da esperança também é cheio de beleza e que preserva um olhar sustentável sobre o meio ambiente.

Loja do Bem

Mas o que te move a ajudar? O amor ao próximo? A esperança, de que tanto já falamos? Ou seria a solidariedade? Esses sentimentos foram materializados em forma de um bem que excede os limites da loja que concentra a ação no Shopping Iguatemi.

“Nós temos trabalhado muito. No ano passado a Loja do Bem foi um case de sucesso e a Associação Peter Pan foi beneficiada. Esse ano, junto com o Iguatemi e com a Bolero Comunicação, pensamos nas bolinhas do Bem para dar continuidade a esse trabalho. A Loja do Bem é uma esperança”.

A Loja do Bem, inaugurada no começo do mês de novembro, terá sua arrecadação revertida para a Associação Peter Pan e os recursos serão destinados para concluir a expansão do hospital, iniciada há dois anos.

“Nós pedimos para que levem as crianças, porque é uma oportunidade de ressignificar o natal. As bolinhas do Bem possuem oito sentimentos e trazem a compaixão para os corações, fazendo com que o natal se prolongue por todos dias do ano. Elas são singulares, enfeitam as árvores, mas também trazem a transcendência do amor. Trazem a solidariedade porque irão ajudar a Associação Peter Pan a concluir o Hospital e ainda se transformam em lindos presentes para as pessoas que amamos”.

Colaboradores

Felipe Gomes

Felipe Gomes

Ver Perfil

Soube desde de cedo que iria ser jornalista. Ainda é quase. Com as histórias de uma Fortaleza de outros tempos, contadas pela bisavó, aprendeu a ouvir. Entrou na faculdade para falar de coisas. Vai sair querendo falar de pessoas. Valoriza o olho no olho, admira o cinema francês e adora música.

Igor de Melo

Igor de Melo

Ver Perfil

É fotógrafo profissional desde 2008. Já passou pela fotografia de esportes, cobertura social, fotojornalismo, publicidade, documental e autoral. Continua em todas. É apaixonado por esportes de ação, tatuagens, retratos e pessoas. Crê que vai conseguir contar as histórias que quer, surfar na Indonésia e viajar com a esposa.

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar