Vós

menu
Escondidinho

Uma história de amor e resistência escrita à máquina

Com Aldenor de Souza Por Lya Cardoso, Igor de Melo
26.fev
2018

Entre ofícios e histórias

De óculos escuros e bem arrumado, Aldenor de Souza nos recebe em sua loja de quase meio século no centro de Fortaleza.

Conversar é com ele mesmo, principalmente se o assunto for máquinas de escrever, uma paixão e ofício que conserva há quase 50 anos, apesar de não gerar mais lucro. “As máquinas de escrever só não são mais fabricadas porque é quatro vezes mais caro do que fabricar uma impressora”. As estantes estão sempre cheias de vários modelos e ele conta com entusiasmo a história de cada uma, com destaque para as da tradicional marca Olivetti. “A fita de uma máquina dessa vai e volta, dura é tempo”.

Pioneiro no ramo das máquinas em Fortaleza, sua resistência vem do amor pelo que faz. Aldenor chegou à capital nos anos 60 e conta com maestria as histórias que viveu, principalmente quando morava no centro da cidade. “O centro era uma beleza em 61, todo mundo morava aqui. O divertimento daquela época era sair para assistir televisão no Abrigo Central da Praça do Ferreira. Fortaleza era uma beleza, 1/5 do que é hoje”.

Antes de sua chegada, ele já trabalhava no ramo em Parnaíba, no Piauí. Nos tempos de ascensão da datilografia, o aluguel de máquinas de escrever estava no auge do negócio. Sobre o mercado de hoje, comenta que “é 2% do que era antigamente. Houve um período na década de 70 que isso aqui foi sucesso”.

Apesar da paixão pelo que faz e da resistência que já dura décadas, não sabe se vai continuar por muito mais tempo. Por outro lado, é possível perceber que esse laço não vai ser quebrado facilmente. Seu Aldenor é uma dessas pessoas que nunca deixou-se seduzir pela informática: além das máquinas, basta olhar para seu telefone fixo de modelo bem antigo e suas notas fiscais todas datilografadas.

Apesar do anacronismo e da redução drástica da clientela, engana-se quem acha que ninguém mais procura esse tipo de serviço. São poucas, mas ainda há quem prefira as máquinas de escrever e procure a loja para reparar ou mesmo comprar uma máquina de Aldenor.

A loja não dá mais lucro e a cidade também se transformou – hoje ele mora na Aldeota -, mas Aldenor de Souza resiste: com firmeza, garante que sua casa é a única da rua em meio a tantos prédios e que vai todos os dias a pé até o trabalho. O centro é o seu lugar e as máquinas são a sua razão. Há 50 anos e contando…

Serviço:
Loja das Máquinas
Rua do Rosário, 125 – Centro
Contato: (85) 3226.3436
Funcionamento: Segunda à sexta – 8h ás 17h30 | Sábado – 8h às 13h

Colaboradores

Lya Cardoso

Lya Cardoso

Ver Perfil

Organizar um evento é com ela, seja um aniversário ou um karaokê em sua casa. Acredita que a comunicação é a chave pra resolver vários problemas. Todo lugar tem uma história e merece ser contada. Libriana nata, está sempre em busca do equilíbrio.

Igor de Melo

Igor de Melo

Ver Perfil

É fotógrafo profissional desde 2008. Já passou pela fotografia de esportes, cobertura social, fotojornalismo, publicidade, documental e autoral. Continua em todas. É apaixonado por esportes de ação, tatuagens, retratos e pessoas. Crê que vai conseguir contar as histórias que quer, surfar na Indonésia e viajar com a esposa.

Comentários

Quer conhecer mais histórias como esta?


Cadastre seu email abaixo para receber matérias, novidades, eventos, e outras informações na sua caixa de email.

fechar